Concreto reciclado junto com madeira é melhor que concreto novo

Concreto reciclado

Engenheiros da Universidade de Tóquio estavam procurando uma técnica para reciclar concreto e restos de madeira deixados pela construção civil.

O que eles descobriram é que essa mistura inusitada permite fazer um produto reciclado que supera a resistência do concreto original.

Em comparação com a reciclagem dos plásticos, por exemplo, que sempre resulta em materiais inferiores às matérias-primas virgens, a mistura do concreto antigo, retirado de construções demolidas, com madeira igualmente descartada pela indústria ou pela população, fica melhor do que o original.

O resultado está sendo comemorado por Li Liang e Yuya Sakai como uma vitória sem precedentes, uma vez que nenhum dos dois materiais é facilmente reciclável e nem oferece grandes ganhos ambientais.

“Apenas reutilizar o agregado de concreto velho é insustentável, porque é a produção de cimento novo que está impulsionando as emissões de mudanças climáticas,” disse Liang.

Como misturar concreto com madeira

A dupla otimizou seu novo método ajustando a proporção da mistura, pressão, temperatura, duração da prensagem e teor de água. Encontrar a proporção certa de concreto e madeira reciclada foi fundamental para a obtenção de um concreto com maior resistência.

A madeira obtém sua rigidez a partir da lignina, que são polímeros orgânicos altamente reticulados. Nesse caso, a lignina preenche as lacunas do concreto e funciona como um adesivo quando misturada com resíduos de pó de concreto e aquecida.

Os dois pesquisadores pretendem agora avaliar o quanto o concreto reciclado é biodegradável, uma vez que os resíduos de concreto passam a ficar presos ao componente de madeira. O método também pode ser estendido para reciclar outros tipos de matéria vegetal descartada, ou ser usado para fabricar um novo tipo de concreto, feito de plantas, areia e cascalho.

“A maioria dos produtos reciclados que fabricamos apresentou resistência à flexão melhor do que a do concreto comum. Estes resultados podem promover uma mudança em direção a uma indústria da construção mais ecológica e econômica, que não apenas reduza as reservas de resíduos de concreto e madeira, mas também ajude a resolver o problema das mudanças climáticas,” disse Sakai.

Fonte: Inovação Tecnológica

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *