Os dias estão mais longos por causa do degelo dos polos.

Um estudo exaustivo sobre os dados do nível do mar de 1958 a 2014 revela, entre outras coisas, que os dias se tornaram maiores na Terra como resultado da fusão do gelo.

O pesquisador da Universidade de Tecnologia de Delft, Thomas Frederikse, estabeleceu que o aumento médio nos níveis do mar em todo o mundo tem acelerado. E não é só isso. O estudo também indica que os dias na Terra se tornaram maiores (com cerca de mais 0,2 milissegundos nos últimos 25 anos) como resultado da fusão do gelo da terra.

A fusão causa o desaparecimento da massa em forma de gelo, principalmente na Groenlândia e Antártida, que se move na direção do equador como água líquida.

Isso produz ligeiras alterações na distribuição da massa da Terra: “Assim como um patinador artístico que estica os braços durante uma pirueta, isto faz com que a Terra gire um pouco mais lentamente. Por isso, os dias duram mais agora”, explica o cientista.

Por outro lado, o aumento dos níveis do mar não é o mesmo em todo o mundo. Há diferenças regionais significativas. Frederikse levou a cabo um estudo exaustivo sobre os dados de 1958 a 2014.

“Todos os fatores têm um papel importante, como por exemplo, o derretimento do gelo terrestre, a expansão da água do mar causada pelo aumento das temperaturas, mas também o uso de águas subterrâneas e o armazenamento de grandes quantidades de água doce em depósitos interiores”, aponta Frederikse.

O autor do estudo, que ainda não foi publicado em uma revista científica ou revisto por pares, aponta outro fator conhecido como ajuste isostático glacial (GIA), ou seja, o “salto” da Terra depois das idades do gelo.

“Devido a todos esses fatores, não há apenas um lugar na Terra onde o nível do mar coincida exatamente com a média global. Para compreender os padrões regionais e poder desenvolver os cenários regionais futuros é necessária uma boa compreensão dos processos subjacentes relevantes e os padrões regionais associados”, afirmou o cientista.

Frederikse refere a importância dos satélites para o campo de estudo: “Agora é possível estimar com precisão as mudanças locais e globais nos níveis do mar com a ajuda de satélites. Antes, tínhamos apenas medições locais do nível do mar num número limitado de lugares à nossa disposição”.

O pesquisador continua: “O aumento do nível do mar foi estudado em duas regiões costeiras em escala mundial. Os processos físicos que tivemos em conta foram a perda de massa nos glaciares e as camadas de gelo, o esgotamento dos depósitos de água subterrânea, a retenção de água por presas, o GIA, as mudanças no volume específico de água de mar, efeitos de vento local e as mudanças na pressão do ar”.

Assim, os cientistas puderam desvendar e modelar com precisão todas as diferentes influências sobre o Mar do Norte, por exemplo.

No período entre 1958 e 2014, o aumento nos níveis do mar foi “apenas” de cerca de oito centímetros. Isso é comparável ao aumento mundial médio no mesmo período, que é aproximadamente de 1,5 milímetros por ano, mas as causas aqui subjacentes são diferentes, explica o cientista.

“O derretimento dos glaciares e da Groenlândia quase não tem efeito aqui. No entanto, quando se trata da Antártida, recebemos a explosão completa. Isso é uma boa notícia para nós por que a camada de gelo na Antártida poderia perder muita massa em um mundo mais quente no futuro”.

Com a ajuda de satélites, neste momento é possível explicar os aumentos do nível do mar em quase todos os oceanos. Ainda que a questão seja complexa, agora compreendemos bem a maioria dos fatores em jogo.

Como resultado, os modelos e as previsões são melhores, o que é bom. A imagem emergente é o aumento do nível do mar e uma aceleração significativa neste processo com consideráveis diferenças regionais. Isto não é apenas modelado, as medições demonstram que esse cenário já está acontecendo. “Essa é a má notícia”, conclui Fredrikse.

Fonte: Ciberia 

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *