A atividade escolar básica brasileira pode resultar em pesquisa científica. Mito ou realidade?

Estudantes de sétimo ano do ensino fundamental 2, brasileiros, propondo experimentos em microgravidade para serem testados por astronautas na Estação Espacial Internacional?

Não, não é sonho… está acontecendo!

O “Cimento Espacial” é o projeto escolhido dentre 72 outros projetos elaborados por estudantes de cerca de 13 anos do Colégio Dante Alighieri e de escolas públicas de São Paulo, organizados em grupos mistos. A competição científica faz parte do Programa de Experimentos Espaciais para Estudantes, ação anual do governo americano em parceria com a Nasa e que está em sua 12ª edição.

Nunca um país de fora da América do Norte havia participado da iniciativa.

A participação destas crianças num projeto internacional trás um alento vigoroso para a educação e para a ciência brasileira em tempos de desvalorização e de congelamento de investimentos. Mas o maior mérito do projeto é, sem dúvida, o ganho imensurável para estas crianças em  oportunidade de aprendizado através do estímulo ao pensamento científico, estímulo à criatividade e à atividades colaborativas –  imprescindível aos futuros cidadãos de um país que quer ter futuro…

Para entender todo o processo:

Garatéa-ISS vai colocar um experimento de estudantes brasileiros na Estação Espacial Internacional (ISS).

Experimento de alunos brasileiros será enviado para estação espacial

NEWSLETTER
Faça como 350 mil pessoas e receba conteúdo exclusivo gratuitamente. Assine agora!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do SPOTSCI.

REPUBLIQUE nosso conteúdo de acordo com a CPL - Collaborative Progress License!

APOIE: ao adquirir livros e outros produtos por meio de links no site, você estará apoiando o autor ou o canal sem pagar nada a mais por isso. 🤓

PARTICIPE dos grupos de discussão:  Facebook

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.