Veja uma rede capturar lixo espacial NO ESPAÇO!

Mais de 500.000 detritos orbitam a Terra, alguns viajando mais rápido do que uma bala a mais de 28.000 quilômetros por hora. Tanto lixo espacial representa um sério perigo de danos a espaçonaves.

Mas como limpar o espaço?

Com novas tecnologias de um projeto chamado RemoveDEBRIS. Por exemplo, um satélite equipado com uma rede espacial que vem sendo desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, há seis anos.

Em 16 de setembro, um protótipo foi testado pela primeira vez, provando sua viabilidade:

Como funciona

Existem duas maneiras possíveis do satélite cumprir sua missão: lançando uma grande rede que captura o lixo espacial e o arrasta para a atmosfera da Terra, destruindo-o, ou lançando um “arpão”, que “caça” fragmentos espaciais e os puxa para fora da órbita.

“A dificuldade que temos é capturar o fragmento com a rede, envolvê-lo, e então ao mesmo tempo puxá-lo com uma corda, para que não escape. Sincronizar tudo isso, como você pode imaginar, é um pouco desafiador”, contou Guglielmo Aglietti, da Universidade de Surrey, à revista Sky News, acrescentando que estava satisfeito por sua equipe ter superado os obstáculos técnicos envolvidos.

A rede funcionou exatamente como pretendida. Primeiro, os cientistas liberaram um detrito espacial do tamanho de uma torradeira – na verdade, um CubeSat – do satélite. Em seguida, ele utilizou sua rede para capturar o destroço.

Em breve, os pesquisadores devem realizar mais testes com a tecnologia.

Fonte: Hypescience

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *