Selo garante qualidade da divulgação científica no YouTube

Em fase de expansão, selo Science Vlogs completa três anos atestando a qualidade dos conteúdos de ciência na internet

Com a multiplicação das fake news ficou mais difícil saber quais conteúdos são realmente confiáveis na internet, principalmente sobre ciências. O Science Vlogs Brasil (SVBR) é uma comunidade de divulgação científica que faz a curadoria de canais do Youtube para dar a eles um selo de confiabilidade e de qualidade. No último dia 16 de maio, o projeto iniciou uma nova fase.

Segundo Vinícius Penteado, atual diretor do SVBR, a nova etapa busca expandir a comunidade por meio do “Patronos”, membros que ganham a responsabilidade de divulgar a importância da iniciativa nas redes sociais. Dentre eles, canais como dos youtubers Pirula (‘Canal do Pirula’), Schwarza (‘Poligonautas’), Sérgio Sacani (‘SpaceToday’) e do ‘Prof. André Azevedo da Fonseca’. Recentemente, o médico Drauzio Varella também entrou para o time de Patronos.

O canal de Drauzio Varella tem mais de um milhão de inscritos. 

Outra maneira encontrada para contribuir com essa meta foi a criação do Amigo SVBR, categoria que possibilita a canais detentores do selo escolherem outros para se associarem e trocarem experiências com perspectivas de, no futuro, se juntarem à comunidade.

Matemaníaca: compartilhando a paixão pela matemática – Foto: Reprodução Youtube

“Esse relançamento é para que o SVBR, projeto que já tem três anos, tenha a visibilidade que merece porque ele é subaproveitado. As pessoas não sabem nem de sua existência e, portanto, que existe uma variedade gigante de divulgação científica no Youtube”, comenta Penteado sobre a importância da proposta. O compromisso com a busca de informações de qualidade também é destacado pelo diretor.

USP no YouTube

A comunidade da USP também está inserida no Science Vlogs, como é exemplo o canal de Caio Dallaqua. Graduando em Física na USP e divulgador científico, o estudante é o responsável pelo ‘Caio na aula’, que apresenta conteúdos variados sobre ciência e tecnologia.

Dispersciência: conteúdo de biologia divulgado por alunos – Foto: Reprodução Youtube

A utilização da plataforma de vídeos proporciona liberdade em diversos aspectos. “Uma das coisas mais importantes, eu diria, em uma boa divulgação científica é o aspecto humano dela”, explica Caio Dallaqua.

A proximidade proporcionada por esse tipo de produção de conteúdo é vantajosa por tornar possível explorar imagem e som, além da inserção dos assuntos no cotidiano das pessoas. “Ciência também é uma coisa que está cada vez mais no nosso dia a dia.”

Outros canais de alunos e ex-alunos da USP também fazem parte do SVBR.

Julia Jaccoud, a Matemaníaca, é licenciada em matemática e busca conversar com as pessoas de forma divertida sobre essa matéria que assusta tantos estudantes.

Dispersciência, criado por estudantes de biologia em 2016, tem como objetivo ser um meio de diálogos entre a universidade e o público não acadêmico.

Astrotubers: rede para popularizar a astronomia – Foto: Reprodução Youtube

Os Astrotubers são graduandos e pós-graduandos de física e astronomia de diversas universidades do País que se uniram para fazer divulgação científica na área. A importância da ciência para a sociedade, em diversas áreas, é abordada no canal Dragões de Garagem, através de vídeos semanais sobre o que a academia desenvolve.

Por fim, Guilherme Lui, do ComCiência Corporal e estudante de educação física, tem como objetivo divulgar pesquisas e conhecimentos de uma área que considera desvalorizada apesar de ter grande relevância.

O Science Vlogs Brasil também busca dar continuidade ao desenvolvimento de boas práticas de divulgação científica no País, estimulando a profissionalização da atividade. Atualmente, projetos como este são amplificadores da disseminação de informações científicas confiáveis na internet.

Fonte: Jornal da USP

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *