Pássaros estão diminuindo de tamanho, e as mudanças climáticas podem ser o motivo

Todos os dias desde 1978, na primavera e no outono, cientistas e voluntários do Museu Field de História Natural, em Chicago, acordam às 3h30 da manhã para coletar pássaros caídos que colidiram com janelas de prédios próximos. Dave Willard, um dos cientistas envolvidos, mediu o tamanho de cada uma das aves mortas e registrou os dados manualmente em um caderno. Essa observação meticulosa valeu a pena: pesquisadores analisaram os dados e descobriram que, nos últimos quarenta anos, as aves migratórias estão ficando menores — uma tendência que provavelmente está relacionada às mudanças climáticas.

“Quando começamos a coletar os dados analisados neste estudo, estávamos abordando algumas questões simples sobre a variação das aves ano a ano e estação a estação. A expressão ‘mudanças climáticas’ como um fenômeno moderno mal estava no horizonte. Os resultados deste estudo mostram como são essenciais os conjuntos de dados de longo prazo para identificar e analisar tendências causadas por mudanças em nosso ambiente “, diz Willard, gerente emérito de coleções do Museu Field e um dos autores do novo estudo publicado na revista Ecology Letters, juntamente com o autor principal Brian Weeks e o autor sênior Ben Winger, da Universidade de Michigan.

Todas as noites, durante as estações de migração da primavera e do outono, os pássaros noturnos que atravessam Chicago esbarram em janelas de grandes edifícios. Muitos dos pássaros atingem o enorme vidro do McCormick Place, o maior centro de convenções da América do Norte. E, como o McCormick Place fica a pouco mais de um quilômetro de distância do Museu Field, Willard foi até lá em uma manhã de 1978 para ver o que encontrava.

“Começou como um estudo muito casual — alguém mencionou que os pássaros às vezes batem no vidro McCormick Place e eu fiquei curioso, então fui passear pelo prédio uma manhã”, lembra Willard. “Encontrei alguns pássaros mortos e os trouxe de volta ao museu — sempre me perguntei se eu teria me dado ao trabalho de voltar se não houvesse pássaros naquela manhã.”

Ao longo dos anos, Willard e voluntários do grupo Chicago Bird Collision Monitors coletaram mais de 100.000 aves que atingiram os vidros do McCormick Place e de outros edifícios no centro de Chicago. Agora, essas aves representam 20% da coleção de pássaros do Museu Field. Willard começou a notar mudanças sutis nas medições das aves ao longo do tempo, mas não estava claro se mudanças estatisticamente significativas estavam acontecendo. “É uma questão de milímetros, décimos de milímetros — não é algo que se possa perceber que está acontecendo sem fazer uma análise”, diz Willard. O autor sênior do estudo, Ben Winger, começou a trabalhar em análises estatísticas de tamanho de pássaros quando ainda era um estudante de pós-graduação da Universidade de Chicago trabalhando no Museu Field; agora, ele é professor assistente de ecologia e biologia evolutiva na Universidade de Michigan e curador assistente no Museu de Zoologia da mesma universidade.

A equipe analisou as medições de 70.716 espécimes de aves representando 52 espécies; eles descobriram que o tamanho de todas essas espécies diminuiu entre 1978 e 2016. As massas corporais das aves, o comprimento dos ossos das pernas e o tamanho geral do corpo também diminuíram — o comprimento dos ossos das pernas, por exemplo, diminuiu 2,4% entre as espécies. Por outro, a envergadura das asas dos pássaros aumentou 1,3%. Os pesquisadores suspeitam que essas mudanças no tamanho do corpo estejam relacionadas às mudanças climáticas.

O tamanho do corpo dos animais geralmente está ligado ao clima do local em que vivem — dentro de uma mesma espécie, indivíduos que vivem em climas frios tendem a ser maiores que seus colegas de áreas mais quentes. Essa tendência, chamada regra de Bergmann, ajuda os animais em locais frios a se aquecerem. Como as temperaturas subiram nos últimos quarenta anos em lugares de criação de aves no norte de Chicago, os pesquisadores acreditam que o encolhimento dos pássaros possa dever-se às mudanças climáticas. Corpos menores retêm menos calor; por outro lado, a envergadura das asas dos pássaros pode ter aumentado para  para produzir a energia necessária para o vôo, de forma que os pássaros ainda possam fazer suas longas migrações mesmo com corpos menores.

“Tínhamos boas razões para esperar que o aumento da temperatura levasse a reduções no tamanho do corpo dos pássaros, com base em estudos anteriores. O mais chocante foi a consistência. Fiquei incrivelmente surpreso em ver que todas essas espécies estão respondendo de maneira semelhante, “diz o autor principal do estudo, Brian Weeks, professor assistente da Faculdade de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Michigan.

“Períodos de aquecimento rápido são seguidos de perto por períodos de declínio no tamanho corporal e vice-versa”, diz Weeks. “Ser capaz de mostrar esse tipo de detalhe em um estudo morfológico é algo exclusivo do nosso trabalho, até onde eu saiba, e é isso inteiramente devido à qualidade do conjunto de dados que David Willard gerou”.

“Realmente tem sido um esforço hercúleo de Dave e de outros no Museu Field, incluindo a coautora Mary Hennen, para obter dados tão valiosos de pássaros que, de outra forma, poderiam acabar sendo descartados depois que morressem por causa de colisões”, acrescenta Winger.

Willard, no entanto, elogia Winger e Weeks: “Quero comemorar que havia alguém que viu o valor do conjunto de dados e que esteve disposto a fazer o trabalho para ver se tínhamos algo a confirmar ou não”.

Museu Field de História Natural

Fonte: Sciam Brasil

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *