A COVID-19 e os esterilizadores de ambientes UV-C

A contaminação de áreas comuns ou de objetos e superfícies são um problema crônico tanto nos centros de saúde como em lares e áreas corporativas em todo o mundo. Milhões de pessoas morrem devido às infecções hospitalares e à propagação de vírus e bactérias.

Mas bactérias, vírus e outros agentes infecciosos sucumbem à ação da tecnologia com UV-C. Não é novidade que a radiação ultra violeta UV-C , de comprimento de onda de 200 a 280 nm, consegue atuar diretamente no material genético de vírus e impedir sua reprodução. Consequentemente, elimina o vírus do ambiente.

Portanto, usar lâmpadas emissores de UV-C é uma solução inteligente e com eficácia comprovada na desinfecção de ambientes. Por se tratar de um processo físico, a incidência da luz UV-C apresenta vantagens em relação a outros métodos. O processo é a frio, a seco, simples e efetivo, e não gera qualquer tipo de resíduo.

Recentemente, a USP de São Carlos desenvolveu o Surface UV, recentemente divulgado aqui no SpotSci, no Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CEPOF) do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), sob a supervisão do Prof. Dr. Vanderlei Bagnato. Trata-se de um rodo, em dois tamanhos – um para mesas e outro para o chão. O equipamento foi doado à Santa Casa da Misericórdia de São Carlos como esforço para combater o Coronavírus, descontaminando os pisos do hospital para evitar a propagação do vírus pelos calçados.

Outra iniciativa neste sentido é a do Governo do Estado de São Paulo, que iniciou na quarta-feira (15/04/2020) testes com um robô que esteriliza os trens do Metrô de São Paulo com radiação ultravioleta (UV). O equipamento foi trazido pelo piloto Lucas Di Grassi, campeão da Fórmula E, que sem poder competir, tem procurado colaborar com o enfrentamento à pandemia do coronavírus.

E hoje, 20/04, a MACAM TECH (empresa brasileira) lança o equipamento SAVED’20, cuja aplicação é mais abrangente que a dos equipamentos descritos acima.

O SAVED’20 proporciona descontaminação de Equipamentos de EPI (proteção individual), roupas e tecidos, paredes, piso e corredores, salas e quartos, camas e móveis, cadeiras de rodas, utensílios, chaves e outros objetos. Portanto, pode ser utilizado em hospitais e também, em indústrias, consultórios e outros.

Para um ambiente de 10 metros quadrados de área, são necessários 10 minutos de aplicação da radiação.

Um aspecto importante é a segurança oferecida através da automação – um sistema de sensoriamento detecta a presença de pessoas no ambiente, e aparelho é automaticamente desligado para evitar a incidência da radiação no corpo humano. A eliminação de 99,9% dos agentes patogênicos do ambiente é uma promessa importantíssima para este momento de pandemia.

Fonte: MACAM TECH

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *