Siderúrgica sueca é primeira no mundo a usar hidrogênio para produzir aço

Hidrogênio na siderurgia

A siderúrgica sueca Ovako tornou-se a primeira no mundo a usar hidrogênio para aquecer o aço antes da laminação, que é a última etapa no processo de fabricação da liga de ferro e carbono.

A empresa anunciou que o primeiro teste em larga escala foi concluído com sucesso, mostrando que o aquecimento com hidrogênio não afeta a qualidade do aço.

O uso de hidrogênio para aquecimento promete um grande efeito positivo para o meio ambiente, uma vez que a única emissão gerada pela combustão do gás é o vapor de água.

Isto representa um desenvolvimento crucial para a indústria siderúrgica, historicamente associada com a queima do carvão e com a emissão de uma pesada carga de poluentes no meio ambiente.

O teste em escala industrial, feito na usina de Hofors, comprovou que as emissões de dióxido de carbono da laminação do aço podem ser totalmente eliminadas caso o hidrogênio possa ser produzido de forma limpa.

“Este é um grande desenvolvimento para a indústria siderúrgica. É a primeira vez que o hidrogênio é usado para aquecer o aço em um ambiente de produção real. Graças ao teste, sabemos que o hidrogênio pode ser usado de forma simples e flexível, sem afetar a qualidade do aço, o que pode significar uma redução muito grande na pegada de carbono,” disse Göran Nyström, da Ovako.

Hidrogênio cinza e hidrogênio verde

A empresa estima que o investimento inicial garantirá um corte de 200.000 toneladas na emissão de dióxido de carbono a cada ano. E isso é só o começo, anunciou a empresa: “Nós realizamos este teste de forma que ele possa ser reproduzido em grande escala em Hofors e em nossas outras usinas de laminação,” disse Anders Lugnet, responsável pela área de tecnologia da empresa.

O hidrogênio é considerado um combustível limpo por excelência em termos de sua combustão. Contudo, atualmente sua produção envolve o uso de derivados do petróleo, como o gás natural, o que significa que sua pegada ambiental total não é zero – por isso o hidrogênio vendido comercialmente hoje é conhecido como “hidrogênio cinza”. Novas tecnologias para alcançar o fim definitivo das emissões incluem o chamado hidrogênio solar, que envolve a produção do hidrogênio a partir da hidrólise da água usando energia solar.

Fonte: Inovação Tecnológica

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *