Gambás polinizadores confirmam teoria de décadas

Novas imagens de polinização noturna de plantas por gambás trazem luz a pesquisas inéditas com quase trinta anos

No Brasil, existe uma planta tão estranha que os pesquisadores previram – e 27 anos depois provaram – que os gambás são fundamentais para sua polinização. Os resultados foram publicados na revista Ecology Society of America, Ecology .

A planta Scybalium fungiforme , uma espécie pouco conhecida da família Balanophoraceae, apresenta cachos de pequenas flores pálidas que são cercadas e abrigadas por uma superfície dura de brácteas – como em uma alcachofra. Devido à sua forma de escama, as brácteas devem ser abertas ou descascadas para expor as flores e o néctar aos polinizadores, como as abelhas.

Enquanto a maioria das espécies da família das plantas Balanophoraceae é polinizada principalmente por abelhas e vespas, pesquisadores da Universidade Estadual de São Paulo em Botucatu, Brasil, levantaram a hipótese de algo diferente. Eles pensaram que gambás, com seus polegares oponentes, seriam um polinizador essencial para S. fungiforme devido às brácteas desafiadoras que cobriam as flores.

No início dos anos 90, Patrícia Morellato, professora da universidade, fez a previsão pela primeira vez. Ela e seus colegas estudaram a planta e capturaram um gambá com néctar no nariz. Suas observações não foram publicadas porque não registraram ou obtiveram evidências diretas dos gambás polinizando as flores.

Big-eared opossum licking the nectar from Ecological Society of America on Vimeo.

Felipe Amorim, professor assistente da universidade e principal autor deste estudo, não encontrou a planta até 2017, mas levantou a hipótese de que um mamífero não-voador é necessário para a polinização com base na morfologia da flor. Em abril de 2019, seus alunos levantaram a hipótese de que talvez os roedores poderiam atuar como os principais polinizadores dessa espécie. “Naquela época, nenhum de nós sabia nada sobre as observações não publicadas feitas por Patrícia nos anos 90 ‘”, explica.

Em maio de 2019, Amorim e uma equipe de pesquisadores foram à Reserva Biológica Serra do Japi, localizada a cerca de 50 km da área estudada por Morellato, e montaram câmeras de visão noturna para registrar a atividade dos visitantes noturnos de flores. As câmeras capturaram gambás removendo brácteas da planta parecida com um fungo e empurrando o rosto para as flores para comer o néctar. Foi a primeira evidência direta de gambás polinizando a planta.

Amorim enviou a seu colega Morellato as filmagens. “Quando ela assistiu aos vídeos”, ele diz, “ela me enviou uma mensagem de voz tão empolgada quanto nós quando vimos o gambá visitando as flores, porque foi a primeira vez que ela viu algo que previu duas décadas e meia atrás!”

Os pesquisadores fizeram a previsão do gambá com base na “síndrome da polinização” – o conceito de que atributos florais como cor, morfologia, aroma e tamanho refletem a adaptação de uma espécie de planta à polinização por um determinado grupo de animais. Gambás, tendo “mãos” com polegares opositores, são capazes de descascar as folhas em forma de escama que cobrem as flores de S. fungiforme . A planta tem outros visitantes florais que atuam como polinizadores secundários depois que as brácteas são removidas – abelhas e vespas dominam a multidão, mas um visitante adicional surpreendente foram vários beija-flores.

“Com base na morfologia das flores”, diz Amorim, “Morellato, meus alunos, e eu podíamos prever com segurança que essa planta deveria ser polinizada por mamíferos não-voadores, mas a ocorrência de beija-flores chegando ao chão para visitar essas flores era algo completamente diferente. inesperado para mim. ” Morellato não tinha visto nenhum beija-flor visitando essa espécie em seu local de estudo durante os anos 90, mas os pesquisadores obtiveram mais recentemente evidências indiretas de que beija-flores visitam a planta nos dois locais de estudo.

Um beija-flor Woodnymph com tampa violeta visita a inflorescência. 
Foto cedida por Felipe Amorim.

Os autores esperam continuar estudando os polinizadores de S. fungiforme para avaliar a eficiência de cada grupo de visitantes de flores (mamíferos, beija-flores, abelhas e vespas), a fim de quantificar sua contribuição para a produção de frutos desta planta. Eles também querem analisar os compostos químicos do néctar e do perfume floral, que podem revelar muito sobre a adaptação de uma planta a um determinado grupo de polinizadores.

No geral, a história é interessante de contar, o culminar de quase três décadas de previsão e observação com base na casca dura que cerca um ramo de pequenas flores. Amorim considera que “na época em que os mamíferos não-voadores foram preditos como polinizadores dessa planta parecida com um fungo, eu tinha cerca de 11 anos de idade e a maioria dos autores deste estudo nem nasceu!”


artigo de jornal

Amorim, FW, et al. 2020. “Deus do céu, que animal pode polinizá-lo? Uma planta holoparasítica semelhante a um fungo potencialmente polinizada por gambás. ” Ecologia . DOI: 10.1002 / ecy.3001.

Autores

Felipe W. Amorim, Caio S. Ballarin e Leandro Hachuy-Filho, Gabriel Mariano, Denis Augusto Zabin, Hugo Gonçalves Dias Queiroz, João Henrique Servilha, Pedro Henrique Lacerda-Barbosa, Jennyfer G. Costa; Instituto de Biociências, Universidade Estadual de São Paulo, Botucatu, SP, Brasil.

Ana Paula Moraes; Centro de Humanidades e Ciências Naturais, Universidade Federal do ABC, Campus São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Leonor Patrícia C. Morellato; Instituto de Biociências, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro, SP, Brasil.

Fonte: ESA

Cristiane Tavolaro

Sou física, professora e pesquisadora do departamento de física da PUC-SP. Trabalho com Ensino de Física, atuando principalmente em ensino de física moderna, ótica física, acústica e novas tecnologias para o ensino de física. Sou membro fundadora do GoPEF - Grupo de Pesquisa em Ensino de Física da PUC-SP e co-autora do livro paradidático Física Moderna Experimental, editado pela Manole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *